Acéfalos: Setembro 2006

segunda-feira, setembro 18

Conflitos D'além Mar I (Sudão)

Surgiu sob os holofotes da impresa de política internacional uma entrevista com George Clooney discursando sobre a crise no Norte do Sudão!

Pareceria piada, se não fosse real. George Clooney é gente que faz. Partiu para a Africa junto com seu pai e realizou um documentário sobre àquele país.

Quando retornou, sensibilizado com o que viu, dirigiu-se à ONU juntamente com Elie Wiesel (ganhador do prêmio Nobel da Paz em 1986) para advertir o Conselho de Segurança que o mundo será responsável por outra Ruanda se não contiver as atrocidades na região.

Disse Clooney: -De muitas formas isso é injusto, não obstante, a verdade é que este genocídio será sua responsabilidade. Como lidar com isso será o seu legado. Sua Ruanda, seu Camboja e seu Auschwitz.
Disse ainda que a ONU foi criada exatamente no intento de que não ocorresse atrocidades como na 2° guerra.

O Conselho de Segurança já tentou timidamente tomar providências no Sudão, porém só seria permitida a entrada de tropas ou ajuda humanitária com o consentimento do governo local, que claro não permite.
Sobre isso Elie Wiesel, sobrevivente do Holocausto, declara ao conselho que "a passividade ajuda o opressor, não o oprimido". E lembrou Ruanda onde houveram entre 600 mil e 800 mil seres humanos assassinados.

Quanto a isso Clooney complementou: "O Sudão está enviando tropas à região para combater os rebeldes, que não assinaram o precário acordo de paz de maio. A União Africana tem cerca de 7 mil soldados em Darfur, com um mandato até 30 de setembro. Essa força carece de pessoal, dinheiro e equipamentos.
Depois de 30 de setembro, vocês não vão mais precisar da ONU. Vão precisar apenas de homens com pás, lençóis brancos e lápides ".
"Os Estados Unidos chamaram de genocídio. Para vocês, é chamado de limpeza étnica. Mas não se enganem: é o primeiro genocídio do século XXI. E se continuar livremente não será o último - disse o ator.

Tudo muito bonito, compramos a idéia que os rebeldes no Sudão precisão de ajuda contra o governo Muçulmano, mas o que mais está por trás dessa crise?

Porque um país tão pobre como o Sudão, que conta com 400 tribos diferente que se utilizam de dialetos diferentes, e mesmo após as colonizações francesa e britânica, não houve unificação do idioma no país. 85% da população vive da agricultura de subsistência e do pastoreiro, chamaria a atenção da OTAN e da ONU.
Porque os EUA unidos estariam empenhados em uma campanha de guerra num país que está em guerra há 300 anos entre as tribos e que somente no último conflito gerou 200 mil mortes e 2 milhões e meio de refugiados. Somente na região do conflito há 35 grupos étnicos diferentes. Os grupos tentam se apoderar do pouco espaço que sobrou da planície de Darfur em que há água e pastagem!!??

As respostas:

As tropas da União Africana só tem permissão de continuar no país até 30 de setembro. Após esse período abre-se pressuposto para uma incursão da OTAN, EUA, quem quiser pode entrar na festa.

O governo que se instalou no Sudão em meados dos anos 90 de cunho islâmico abrigou Osama Bin Laden no país até 2000, tornando-se as vistas dos EUA um país terrorista.
O subsolo do Sudão é rico em petróleo e gás natural, mas as sanções dos países ricos e as constantes batalhas não permitiram que essas riquezas fossem exploradas. O país está geografiamente em posição estratégica uma vez que faz divisa com o Egito e ficaria de frente para a Arábia Saudita pelo Mar Vermelho.

Conclusão: Um incusão seja pelos capacetes azuis ou pelos EUA não trariam a paz, a independência, a justiça e a evolução do país. Trará apenas mais mortes, mais pobreza e medo, muito medo.
Na última vez que os EUA foi ao Sudão, um navio americano lançou um míssil em uma fábrica de medicamentos (1998). Como é de praxe dos EUA primeiro destroem a infra estrutura do país, depois invadem para facilitar a conquista de território.

Todo esse barulho para defender uma em 400 tribos existentes num país de guerra pela água. (Talvez ajudasse mais os refugiados, se os matassem todos de uma vez e abreviassem tamanho sofrimento).

Bush invadiu o Iraque na marra, e agora quer que o mundo peça para invadir o Sudão.

O que o Sudão tem a ver conosco? Nada? Será mesmo?

quinta-feira, setembro 14

O drible contra Morte (Parte VIII)

Todos nossos movimentos acabam na questão do poder.

Os relacionamentos afetivos e de amizade, assim como a postura profissional demonstra que o ser humano quer ter algum poder sobre o Outro.

E se o assunto é poder, haverão sempre aqueles que nasceram para obedecer e os que nasceram para mandar.

Na Índia esse conceito é mais organizado: a sociedade é distribuída em castas em que, quem nasce em uma casta baixa morrerá em uma casta baixa (não há mudança nas classes sociais nas famílias). Hoje já existe uma abertura nesse sentido na Índia, mas por habito, as pessoas continuam a agir dessa maneira. Uma frustraçãozinha aqui, outra alí, mas todo mundo no final vive bem, pois aceitam seu destino.

Há pessoas que exercem o poder por subterfúgios. Quebram regras da sociedade ou do trabalho para mostrarem que podem ou simplesmente contarem vantagem. Puxam o tapete do amigo para conseguir o que quer sem que o mesmo perceba. Na psicologia é chamado de "postura passivo-agressiva.

É duro ver também as pessoas dizendo que querem ser donas de seus destinos mas pedem para o Governo fazer seu trabalho, pedem pro cunhado, pra mãe...
As pessoas querem a independência sem conquistá-la, sem passar por provação nenhuma, sentados em seus sofás assistindo televisão, reclamando que a culpa é de todo mundo, menos SUA, menos sua...

Eu não sou igual a vocês.
Cruzei a ponte, e prefiro a fome e o frio a voltar à escravidão.
Não sou egoísta, sou fraterno. Não estou preso à convenções, sou livre.
Tenho a coragem de ir à luta, mesmo que seja morrendo de medo.
Aceito ajuda, sim. Ninguém é uma ilha. E da mesma forma que somos explorados, também temos o dever de explorar.
Se não fosse assim, não reconheceríamos a diferênça do Outro, nem nossas fraquezas, nem as mais nobres qualidades.

sexta-feira, setembro 8

O fim da Igualdade

Todos somos iguais perante a Deus;
Todos somos iguais perante a Justiça;
Todos somos iguais perante a Ética;

Quanta bobagem sobre a igualdade teremos que suportar!!!
Desde que somos concebidos do amor de nossos pais, temos histórias diferêntes.
Choramos ao nascer diferente do bebê ao lado.
Temos frustrações diferentes na vida, inclusive por motivos diferentes de outras pessoas.
Gostamos de coisas diferêntes, cantamos com vozes diferêntes, lutamos por ideais diferêntes!!!

A sociedade busca se nivelar por baixo para garantir a máxima de que todos os seres humanos são iguais.
Diz a bíblia que Deus criou o Homem à sua imagem e semelhança. Se nós somos parecidos com Deus, é porque ele nos deu o Dom de Criar, assim como ele criou nosso Universo (segundo o dogma). E sendo assim, até mesmo Deus professa a Diversidade.
Andando na contra-mão dessa interpretação, a Igreja durante séculos impetrou a Inquisição para que, sob as leis divinas todos fossem iguais. Para que todos fossem iguais ninguém podia pecar, ninguém podia pensar diferente do que os párocos, e aos que pensassem: penitência, sofrimento e reino do inferno estariam à sua espera.

É claro que mundo evoluiu, ou pelo menos os padres, pois nos tempos modernos só existe a sugestão de que há um inferno, e de que Deus gosta dos que vivem sob suas regras.
Mas desde o início do século XX houve uma mudança na igualdade e todos tinham que se portar igualmente perante o Estado. Se alguém pensasse diferente, se reunisse para fazer algo diferente, ou quisesse mudar o rumo de seu mundo iria encontrar: penitência, sofrimento, tortura e morte.

Após a abertura democrática (digo isso do mundo todo, não só aqui) com o povo já devidamente adestrado à ser aquilo que o "Império" quer, vemos que todos continuam se nivelando por baixo, mais por hábito, do que por desejo. E mesmo com esse desejo de igualdade continuaremos a ter diversidades, medíocre, mas ainda assim somos todos diferentes.

segunda-feira, setembro 4

Quando você pensa que chegou no fundo do poço...

Estamos cada vez mais próximos da eleição, e o que vemos é um fenômeno interessante:
Quanto mais o tempo passa mais a popularidade do presidente sobe. Como isso é possível? Esse não foi o governo da corrupção?
Aliás, não conheço ninguém que declare seu voto ao Lula. Como ele possui tal indice, tanto de aprovação de governo, quanto de intenção de voto?

A resposta é simples:
Nos últimos tempos só vemos notícias positivas do governo perante a rotina diária do cidadão: oferta de vagas recorde pelo Pró Uni; diminuição dos impostos para ítens da Cesta Básica e produtos de construção civil; Bolsa família; ampliação da oferta de álcool nas bombas; controle da inflação; controle do dólar mantendo o poder de compra da população, etc.

Como o brasileiro pensa no imediatismo, ele não põe na balança a quantidade de dinheiro que foi desviado ou a quantidade de denúncias de corrupção por esse governo, porque, no final das contas, sua vida está normal, não quer mudar.

Nenhum candidato defendeu uma tese diferente da que temos hoje. O máximo prometido foi diminuição de impostos (mas quem paga imposto*)! Quem pensa no imposto que consome nos produtos! O povo não entende essa linguagem, e por isso não é cativado pelos outros candidatos.

Diga-se de passagem, não temos nenhum candidato com carisma, trajetória política ou de vida que salte aos olhos do povo.

Concluindo: Lula não tem um opositor a altura, o maior inimigo é o próprio Lula, com seus erros de governo e escândalos desmascarados, mas na iminência de ter se que escolher outro candidato, prefere-se manter o que tem aí.

* 100 milhões de brasileiros sequer tem saneamento básico(Dados da campanha de Geraldo Alckmin), estão abaixo da linha da pobreza vivendo de agronomia de subsistência, outros tantos milhões vivem na informalidade sonegando impostos o que eles querem com a baixa de juros ou de impostos!!!