Acéfalos: Fevereiro 2007

terça-feira, fevereiro 6

Sobre a Mágoa

Somos seres sociais e assim sendo, as pessoas passam suas vidas criando e desfazendo relacionamentos. Nesses movimentos constantes de aproximação e distanciamento muitas vezes são deixadas cicatrizes em um ou em outro.

Para aplacar a mágoa deixada em alguns casos, não é aconselhável perdoar, simplesmente por perdoar. Ou esquecer, simplesmente por esquecer. Ou fingir que nada aconteceu, simplesmente para não externar seu incômodo.

Não vejo problemas em nenhuma das saídas acima, contanto que não se perdoe, esqueça ou finja sem saber direito o porquê.

Quando dois amigos, sócios, namorados, chefe e funcionário brigam, há sempre um período de "luto" e distanciamento da outra parte. É importante usar esse período para entender o que ocorreu.

Não é aconselhável simplesmente odiar o Outro e se lamuriar pelo outro. Dessa forma a pessoa somente alimenta energias negativas, gasta tempo desnecessário e aumenta o nível de stress sobre o Outro, além de nem sempre os fatos condizerem com nossas reações e o que vivenciamos nem sempre é o fato verdadeiro.

Subjetividades a parte, é preciso parar para entender o motivo da briga ou do distanciamento do Outro. A pessoa com consciência poderá andar até mesmo nos escombros e ainda assim avançará para algum lugar. Sem consciência, a pessoa fica paralisada, dominada pelos "Por quês?" e repetirá Por que? Por que? E por que?

Paralisada pelos porques do passado perde-se as oportunidades do presente e de guiar atitudes melhores nas crises futuras com a mesma pessoa ou com outras. A partir do momento que entender o Outro e o tempo natural de luto for cumprido, a mágoa tende a desaparecer e é possível retomar o diálogo.

Que fique claro que não estou propondo uma teoria de submissão:
-afinal se o Outro continuar a te distanciar ou a te magoar nada restará a não ser deixá-lo no passado.
-o ato de perdoar não quer dizer que você não aprendeu com a própria limitação ou com a consciência do quanto aquela pessoa poderá te fazer mal.
-pedir perdão não quer dizer que você está a mercê do outro. Concedido o perdão os fatos não podem mais ser "jogados na cara".

*Inspirado em Roberto Jeferson

A mágoa é um sentimento animal, não é exclusivo da humanidade.