Acéfalos: O drible contra a Morte (Parte V)

quarta-feira, maio 10

O drible contra a Morte (Parte V)

Vou falar de orgulho, mas não de orgulho como sinônimo de ganância ou uma simples arrogancia. Há o orgulho que quase sempre requer confirmação e aprovação exterior para cobrir um sentimento interno de inadequação e aquele que não precisa dessa confirmação, e sim, somente da própria crença. Respeito assim os extrovertidos e os introvertidos.

A convicção da certeza precede o afastamento do alvo desse orgulho e causa uma satisfação momentânea abastecida pelo egoísmo, mas depois vem um sentimento de frustração de falta de alguma coisa.

Ja perceberam que o orgulho que estou retratando não é bem aquele do pecado, ou da simples arrogância, mas de pequenas atitudes que tomamos todos os dias.

O orgulho é outro inimigo da vida e da felicidade. É uma ferramenta muito usada por pessoas que acreditam que tem toda a razão do mundo, e estão muito atentas para levar tudo ao pé da letra e utilizar das palavras e atitudes de forma vil para atingir ao outro.

O orgulho por vezes pode ser uma variante do mimo. Ou pelo excesso ou pela falta que teve durante a vida. Normalmente essas pessoas ficam muito melindradas com qualquer crítica e destroem o próprio prazer de viver. Vive-se num jogo para ver quem se dobra primeiro a vontade do outro. Isso acaba gerando apenas sofrimento...

O orgulho faz com que a pessoa se destoe das demais, mas nem sempre surte o efeito desejado de que possui uma consciência mais elevada.
É mais um grande inimigo da vida, fazendo com que as pessoas vivam um personagem que não são eles mesmos, e sim um dublê para manter o frágil ego intacto.

Quanto mais orgulho, mais próximo da morte a pessoa ficará. Primeiro por privar-se de viver como realmente é para manter a "pose" e depois porque desfigura a pessoa atuando de uma maneira diferente de si.

Para ir de encontro a felicidade é preciso matar o orgulho dentro de si, deixar aflorar suas vontades de forma genuína. Resolver as questões inacabadas, nem que seja preciso perder a fleuma. Basta querer ser, basta querer ser!

1 Comments:

Anonymous Tato said...

Longe de mim discordar, o texto está ótimo. Tudo em demasia atrapalha, mas um pouco de orgulho não faz mal a ninguém. Sei que sou suspeito pra falar do assunto, mas em todo caso.... :-)

7:22 AM  

Postar um comentário

<< Home